Maersk Line – Consciência ambiental na redução da emissão de enxofre

0

Lendo o noticiário internacional, particularmente o New York Times e os informes da CNN, além do próprio site da empresa, deparei-me com uma ótima notícia, um grande exemplo prático de Responsabilidade Ambiental, e que não poderia passar em branco por aqui.

Após três anos consecutivos ganhando o Prêmio de “Best Green Service Provider – Shipping Line”, a Maersk Line anunciou oficialmente ontem, dia 7 setembro de 2010, que a começará a utilizar combustível com baixo teor de enxofre em seus navios, quando atracados em Hong Kong, sendo pioneira e dando exemplo, aderindo voluntariamente a essa prática na Ásia.

“Ao mudar de bunker para combustíveis mais limpos no cais, reduzimos significativamente as emissões de enxofre para a atmosfera, “As rodas do governo girammuito lentamente aqui, e esperamos que a nossa iniciativa ajude a acelerar a regulamentação e que rapidamente outros sigam o exemplo”, disse Tim Smith, CEO da Maersk Line da região Norte da Ásia.

Emma Maersk - Mais um exemplo de grandeza da Companhia

O Bunker, amplamente utilizado pela indústria de transporte, tem elevado índice de nitrogênio e enxofre em sua composição, tornando-se significativamente mais nocivo do que outros tipos de combustível. Novas regulamentações relativas às emissões atmosféricas vão exigir que os navios utilizem combustíveis mais limpos enquanto eles navegam em águas de grande parte da Europa, incluindo o Mar do Norte e o Canal Inglês, e uma política semelhante entrará em vigor ao longo dos Estados Unidos e das costas do Canadá em 2012.

Ainda não existem regulamentos aplicáveis ao longo da costa da Ásia,  e isso se deve, em parte, ao complexo de investigação e trabalho de cooperação internacional que é necessário para trazer um quadro coerente para a indústria.

As emissões atmosféricas são umas das principais contribuintes para a má qualidade do ar em Hong Kong e no resto do Delta do Guangdong (Pearl River Delta), por onde passa boa parte do tráfego global de navegação. A poluição em Hong Kong regularmente sobe acima dos níveis considerados seguros pela Organização Mundial da Saúde.

Delta do Guangdong - Pearl River Delta

A Maersk Line faz cerca de 850 atracações em Hong Kong, a cada ano. A mudança do combustível pesado, que é usada em alto mar, para o combustível com baixo teor de enxofre, irá reduzir as emissões de óxidos de enxofre (SOx) e partículas de pelo menos 80%. A iniciativa tomada em Hong Kong terá um custo adicional de US$ 1 milhão por ano para a Maersk Line.

Vítima de seu próprio desenvolvimento, Hong Kong sofre com a má qualidade do ar

Com base nas experiências da Califórnia, em Houston e em outros lugares, a Maersk Line e outras companhias de transporte de contêneres, já estavam prontas para agir rapidamente quando o Civic Exchange, uma ONG de empresas locais e autoridades ambientais de Hong Kong cogitou a possibilidade de um a legislação local em relação à mudança de combustível.


“Nós compartilhamos as ambições do Governo local e da Civic Exchange, em Hong Kong, e gostaria de contribuir para uma melhor qualidade do ar”, disse Tim Smith, e completou: “Nós esperamos que esta iniciativa voluntária mostre o caminho para a futura legislação.”

Hong Kong é apenas uma parte do longo caminho a percorrer por uma indústria mais limpa.

“Ao envolver-se voluntariamente na prática da troca de combustíveis em Hong Kong e em outros lugares, queremos demonstrar que há uma maneira de reduzir rapidamente as emissões de enxofre, sem muitas dificuldades técnicas. Apoiamos a regulamentação restrita de enxofre e esperamos que nosso exemplo possa inspirar as autoridades a elevar o nível de regulamentação sobre SOx, “diz Morten Engelstoft, Chief Operating Officer da Maersk Line.

Morten H. Engelstoft - Chief Operating Officer

“O transporte é muito eficiente em termos de redução das emissões de CO2 em comparação com outros meios de transporte. Porém, as emissões de SOx  devem ser melhor controladas “, diz Engelstoft.

Arthur Bowring, Diretor da Associação de Armadores de Hong Kong , disse que estava “muito satisfeito” com a atitude da Maersk e pelo suporte dado na útima terça-feira em uma reunião de representantes da indústria sobre o tema de combustíveis mais limpos em Hong Kong.

Arthur Bowring -Diretor da HKSOA

“Nós vemos isso como um primeiro passo que conduzirá esperançosamente a uma maior regulamentação”, disse ele. “Vemos a regulamentação de maneira positiva, pois cria condições de concorrência equitativas. É uma situação muito estranha, em que a indústria está pressionando o Governo para a ação, ao invés do contrário. “

Um porta-voz do Departamento de Meio Ambiente de Hong Kong , Felix Leung, declarou que o governo parabeniza a iniciativa das companhias de navegação para mudar para combustíveis com baixo teor de enxofre.

Para os navios Maersk Line que atracam em Hong Kong, a ordem real para troca de combustível entrou em vigor em 05 de setembro de 2010.

A Maersk Line, mais uma vez, sai na frente das demais empresas e mostra-se ambientalmente responsável, contribuindo para a melhoria na qualidade de vida  da população. Crescimento sustentável e responsável, esse deve ser o foco.

Marque assim!

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta