Marinha do Brasil vai aumentar frota para patrulhar as áreas petrolíferas

0

Segundo declarações dadas pelo Comandante da Marinha do Brasil, Almirante Júlio Soares de Moura Neto, durante a 24ª Conferência Naval Interamericana, a instituição tem um projeto para construir 11 navios para que possa melhorar o patrulhamento das nossas Bacias petrolíferas e estar constantemente em nossas jazidas petrolíferas constantemente no Oceano Atlântico.

“Queremos patrulhar permanentemente nas proximidades dos campos petrolíferos (…) Isso se chama fator de dissuasão”, declarou o Almirante.

O plano da Marinha do Brasil, que deve ser apresentado até o final desse ano, prevê que a construção seja iniciada em 2012, começando pelos navios patrulha, depois o navio de apoio logístico e finalmente as fragatas, que ficarão por último devido a tecnologia envolvida. As novas embarcações serão integradas à frota de seis fragatas menores (uma já foi entregue e as outras estão em contrução), que são itens do Plano de Renovação das Forças Armadas.

A Marinha já está construindo quatro submarinos ocnevcionais (motor diesel) e já está preparando um estaleiro para a fabricação, em conjunto com a França, de um submarino nuclear.

A aumento de nossa frota será de suma importância, ainda mais agora que estamos discutindo a ampliação de nossas águas, conforme já noticiado aqui no PortalMarítimo.

“A ONU aceitou já 750 mil quilômetros quadrados e discorda dos critérios técnicos que usamos nos 200 mil restantes. Estamos revisando os cálculos e realizando novas medições para reforçar a proposta”, declarou o Almirante.

Segundo o militar, o que temos na América Latina é  um “clima de paz relativa”. Porém, isso não impede que o Brasil “se prepare para ter capacidade de dissuasão” até porque, segundo ele, a intenção do Brasil é “criar um clima de confiança” entre as Marinhas do continente para que melhore a cooperação e a troca de informações entre os comandantes militares dos diferentes países. Este é justamente o objetivo da Conferência Naval Interamericana, que começou hoje e vai até sexta feira, congregando os Alto Comando das Marinhas de 17 países da América.

Estão representados nesta reunião os seguintes países: Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Argentina, Bolívia, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Venezuela e Estados Unidos.

Quem, como eu, trabalha em plataformas, sabe “direitinho” que o patrulhamento que a Marinha do Brasil faz não é suficiente.

Temos sérios problemas com aproximação indevida de embarcações de pesca dentro da linha dos 500 metros e muita coisa pode acontecer com isso, inclusive acidentes que podem colocar em risco vidas humanas.

Já temos relatos de nossas fontes afirmando que armas já foram apontadas para tripulantes das plataformas, pescadores em refeitórios de plataformas maiores (onde há tanta gente que a maioria não se conhece) e até mesmo uma plataforma alvejada por disparos de arma de fogo. Barco de pesca amarrado em pé de plataforma então é normal.

Mais que fortalecer uma frota, há que se mudar algumas posturas e práticas, pois o que as plataformas mais fazem é informarem à Marinha do Brasil a respeito dessas embarcações, mandando relatórios com fotos, nomes, registros e nada é feito. Eles sempre voltam e ainda ameaçam os profissionais que ali estão.

Sabemos que  cota 1% dos royalties que deveria ser repassada para a Marinha  justamente para essa finalidade, não tem sido repassada, o que também é lastimável.

A segurança de nossas instalações deve começar de dentro para fora e tenho a mais absoluta certeza que os trabalhadores offshore sempre vão colaborar com a Marinha do Brasil.

Por Rodrigo Cintra

1 COMENTÁRIO

  1. o brasil poderia ter no maximo 80 navios com tecnologia avançada e com grande poder de fogo e ter no maximo 6 porta avioes, 4 porta helicopteros e 40 submarinos tbem com tecnologia e grande poder de fogo desse modo a nossa riqueza e soberania estaria completamente protegida temos que nos armar completamente pois tem paises bem armados que fica cobiçando nossas riquezas temos que ser uma potencia tbem temos que investir bilhoes na nossa forças armadas pra outros paises nao levarem trilhoes como fez no iraque eles deixaram de mao sua soberania e veio outro pais que investe muito na sua soberania e tomou toda riqueza daquele pais.

Deixe uma resposta