Petrobras aponta os desafios logísticos do pré-sal

0

A grande distância da costa (350 km em média) e a maior profundidade da exploração (2.200 metros) foram apontadas pelo engenheiro Carlos Felipe Guimarães Lodi como algumas das dificuldades que terão quer ser superadas pela Petrobras para viabilizar a produção na área do pré-sal.

Gerente-geral de Planejamento de Logística da Área de Abastecimento da Petrobras nos últimos seis anos, Lodi apresentou a exposição “Desafios da Logística no Pré-Sal” no painel que discutiu, na Rio Oil & Gas 2010, as questões logísticas relacionadas a combustíveis e biocombustíveis.

“Os problemas são extremamente desafiadores, quanto aos volumes que serão produzidos e comercializados, os prazos envolvidos, as condições geográficas da produção e a tecnologia necessária”, afirmou o especialista.A questão da distância da costa está relacionada às condições climáticas das áreas de exploração do pré-sal.

“Vamos sair de uma região de distância média de 150 km da costa para outra de 350 km. Os desafios serão mais rigorosos em termos de altura de ondas, ventos, correntes. Juntam-se a isto as profundidades, que vão interferir nas soluções. Além do que, é importantíssimo que procuremos o transporte mais economicamente possível dada a distância e a competitividade das explorações”, acrescentou Lodi.

Para o executivo, há ainda problemas relevantes a serem tratados nos planejamentos em curso. Entre eles, o desenvolvimento de uma solução dutoviária, que sirva de modal alternativo e complementar.

Lodi informou que, a médio prazo (de 2013 a 2017), deverá haver a instalação de um terminal oceânico em águas rasas (75 metros), mais próximo da costa, o que eliminará a necessidade de o óleo do pré-sal ser trazido à terra.

Para ler esta maréria na íntegra, acesse Portal Fator

Por Nelsiane Carrara

Deixe uma resposta