Aço chinês faz a festa no Brasil

0

Este ano, o mercado interno consumirá quantidade inédita de aço: 25 milhões de toneladas. Mas nem por isso o presidente-executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, está soltando foguetes. Há muita preocupação, em razão da distorção cambial que assola o país: “A importação sempre se limitou a uma faixa de 6% a 8% do mercado. Este ano, as importações vão representar 20% de tudo que for consumido de aço no Brasil”, esbraveja Mello Lopes, em contato com a coluna. A importação deverá se aproximar de 5 milhões de toneladas.

Esclarece Mello Lopes que o governo brasileiro já reconheceu haver sobrevalorização de 20% no real. Além disso, a moeda chinesa, o iuan, apresenta perda de 40% em relação ao dólar. A mistura desses dois componentes significa uma vantagem aproximada de 70% do aço chinês quando entra no Brasil, segundo o executivo. Acrescenta que muitos estados, preocupados em criar incentivos fiscais para obras importantes, retiram impostos sobre itens importados, o que faz o aço estrangeiro, especialmente o chinês, ser imbatível.

O Brasil deverá produzir, este ano, quase sua capacidade total, que é de 42 milhões de toneladas, e manterá exportações em torno de 10 milhões de toneladas, embora os valores do mercado internacional não estejam muito atraentes. O Instituto Aço Brasil acaba de ganhar um novo associado: a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), dos grupos Thyssenkrupp e Vale, que se destinará exclusivamente a exportações. Em relação aos estaleiros, afirma:

– Os estaleiros consomem chapas grossas. Com 70% de diferencial a favor das usinas chinesas, é simplesmente impossível que as usinas nacionais consigam atender ao mercado, principalmente porque a construção naval goza de isenção nas importações. Não há como mudar a realidade e, no panorama atual, os estaleiros irão comprar 100% do aço que precisam para navios na China – disse Mello Lopes. No caso de plataformas de petróleo, o tipo de aço é diferente e pode até haver chance para os fornecedores brasileiros, principalmente se houver mudança na política cambial.

Com as informações, Sérgio Barreto Motta, no Monitor Mercantil

Por Marcus Lotfi

1 COMENTÁRIO

  1. Então o executivo Mello Lopes deveria chamar a atenção de seus associados, na medida em que as siderúrgicas brasileiras são responsáveis por 50% (cinquenta por cento) dessa importação. Essa representatividade da importação de aços se deve à estagnação da siderurgia brasileira. A produção de todos os países cresceram e a do Brasil estagnou com metas de colocação no mercado interno e externo.

  2. Então o executivo Mello Lopes deveria chamar a atenção de seus associados, na medida em que as siderúrgicas brasileiras são responsáveis por 50% (cinquenta por cento) dessa importação. Essa representatividade da importação de aços se deve à estagnação da siderurgia brasileira. A produção de todos os países cresceram e a do Brasil estagnou com metas de colocação no mercado interno e externo.

Deixe uma resposta