Rapidinhas – Será que a Shell conseguirá?

0

Estalerio em Angra, petróleo na África e a Shell querendo as regras do North Sea no Golfo do México. Seadrill precisou de uma grana e vendeu uma “jackzinha”. Sem o Zina, hoje vamos de Charles mesmo…

Total na Líbia – A Total Líbia vai retomar o seu programa de perfuração de poços petrolíferos em 2011, dando prioridade ao campo petroleiro de Al-Jorf, no sudeste do país, anunciou nesta quarta-feira em Trípoli o Diretor Executivo da companhia petroleira francesa Total E&P Libye, Stéphane Michel.  A Total E&P Libye está presente no país há mais de 50 anos e, hoje, ela atua na exploração de dois campos: o Campo Offshore de Al-Jorf, e o Campo Onshore de Mabrouk, explorados diretamente pela Mabrouk Oil Corporation, uma joint-venture entre a Total E&P Libye e a NOC.

Novo estaleiro em Angra – A empresa francesa Beneteau, fabricante de embarcações de lazer, lançou a pedra fundamental de sua primeira unidade no Brasil, na manhã de hoje, na Marina Verolme, em Angra dos Reis. O Presidente da empresa, Bruno Cathelinais, veio ao Brasil especialmente para o lançamento. A empresa, que tem administração familiar e está há 120 anos no mercado internacional, vai gerar 600 empregos diretos em Angra dos Reis. Para se instalar no município, a Beneteau recebeu isenção de impostos municipais (IPTU e ISS) e estadual (ICMS). De acordo com o presidente da Marina Verolme, as negociações começaram há muito tempo e felizmente se concretizaram com a implantação da empresa. “Era um sonho antigo trazer a Beneteau para a Marina Verolme. Temos mil empregos diretos, e com a chegada da empresa teremos mais 600. Estamos felizes que as negociações, que começaram há dois anos, tiveram um bom resultado”, disse Lobato.

Shell pede regras do Mar do Norte no Golfo – O Diretor Financeiro da Shell, Simon Henry, disse ontem que os EUA deveriam exigir das empresas de perfuração um Plano de Segurança, que analisaria os riscos potenciais e definiria as responsabilidade por tarefas de gerenciamento de risco. Se gundo ele, se os EUA tivessem adotado as regras usadas no Mar do Norte, bem mais rigorosas, haveria todo um contexto que minimizaria ou anularia os riscos, ajudando a evitar os erros que contribuíram para o incidento com o BOP da Deepwater Horizon, no Golfo do México. “O que gostaríamos de ver nos EUA é uma regulamentação específica e, à medida que evoluir, ficaria bem próxima da abordagem européia da atividade petrolífera, que  está sempre a identificar todos os riscos”.

Seadrill vende West Larissa – A Seadrill anunciou a venda de uma de suas plataformas, com 26 anos de idade, a um comprador registado no Panamá. a empresa espera registrar um ganho sobre a venda de cerca de US$ 26 milhões. Um porta voz da Seadrill adicionou que a West Larissa seria desmobilizada de seu contrato atual de Vietsovpetro, no offshore do Vietnã, no final deste mês e substituída pela nova jack-up West Prospero, construída em 2007. “A venda da West Larissa está alinhada com nossa estratégia de focar a nossa empresa na operação de plataformas modernas”, disse o CEO da Seadrill Management, Alf C Thorkildsen. O fechamento do acordo ea transferência de propriedade está previsto para acontecer no próximo mês.

Nigéria vai mudar as regras do petróleo – A Ministra do Petróleo da Nigéria, Deziani Allison-Madueke, anunciou ontem que haverá uma rodada de licenciamentos hoje uma ronda de licenciamento de contratos para  a Indústria Petrolífera no país e que, ainda este ano, será aprovada uma legislação bem abrangente, que vai reformular todo o setor de energia. “As rodadas de licenciamento de atividade do petróleo na Nigéria acontecerão antes do final do ano. A conta de energia será determinada antes do final deste ano”, declarou ela, pouco antes de mais uma reunião da OPEP. Allison-Madueke disse que a produção petrolífera da Nigéria estava girando em torno de 1,9 milhões de barris por dia e que a Nigéria não faria nada para atrapalhar a estabilidade do mercado atual e que ele espera que o cenário continue assim no próximo ano. Questionada sobre a possibilidade de aumento da produção na Nigéria, ela disse: “Nós não faríamos nada que prejudicasse a estabilidade atual. Estamos muito esperançosos de manter esta estabilidade em 2011”.

Bem… O Brasil, em termos de Legislação, está bem a frente dos EUA no offshore. E ainda temmuita gente que ainda pratica a filosofia do “O que vem de fora é melhor”.

É.. vamo que vamo…

Espero que o catamarã não quebre hoje também…

Esperando por um serviço de qualidade nos catamarãs...

Ah, mulek!

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta