Brasfels coloca 800 na rua após conclusão de obra

3
608

Nas últimas duas semanas houve cerca de 800 demissões no Estaleiro Brasfels, em Jacuecanga. A sensação de medo tomou conta dos metalúrgicos, pois a qualquer momento alguém pode estar sendo demitido. No entorno da portaria do estaleiro é sempre possível encontrar trabalhadores que aguardam um chamado para trabalhar.

O maior constrangimento vivido pelos metalúrgicos é na hora da entrada. Quando eles passam o crachá, a roleta emite dois sinais: caso apareça o vermelho, o trabalhador deve se dirigir imediatamente ao Departamento Pessoal (DP), para acertar as contas e ser demitido. Caso surja o sinal verde, significa que o metalúrgico está apto para continuar o seu trabalho normal. “Estou me sentindo em um reality show, onde quem manda é a catraca. Para nós que vivemos graças ao estaleiro, isso se tornou uma tortura e não sabemos ao certo quando vai parar”, relatou Jairo José da Silva, Soldador da Brasfels.

Desde a última quinta feira, 26 de maio, um grupo de metalúrgicos demitidos está aguardando uma possível chamada, no entorno da portaria do estaleiro. “Sei que esse momento o trabalho está escasso, mas, não vamos desistir dele. Recebemos informações, que a qualquer momento poderemos ser chamados de novo, por isso estamos aguardando”, falou o Soldador Moacir Braga.   

O Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Hélio Severino Azevedo, o Helinho, informou que está buscando junto à Brasfels mais obras, que garantam a manutenção e geração de mais empregos. “As obras estão acabando, mas eu tenho certeza que vamos conseguir mais.

O acordo da linha do fronte está praticamente fechado e com ele concluído, podemos garantir um espaço maior para conseguir mais trabalhos da Petrobrás. Além disso, está para chegar a qualquer momento um navio para ser reformado. Assim poderemos chamar de volta os que foram demitidos e contratar mais. Essa é a luta do sindicato”, disse o Presidente.

A equipe de reportagem do A VOZ DA CIDADE procurou a Brasfels para maiores esclarecimentos. A empresa, por sua vez, solicitou que as perguntas fossem enviadas por e-mail, conforme foi feito. Ainda assim, a equipe de reportagem, até o fechamento desta edição, não recebeu resposta alguma.

Com as informações – A Voz da Cidade

Por Rodrigo Cintra

3 COMMENTS

    • Basta assinar o Portal. Assine e receba as notícias diretamente em seu mail. Há um campo no canto inferior esquerdo do site próprio para este fim. Obrigado pelo interesse, Messias. Forte abraço.

Deixe uma resposta para Rodrigo Cintra Cancelar resposta