Maersk Oil assina convênio com a Universidade de Copenhagen para estudos no setor dinamarquês do Mar do Norte

0
322

A Maersk Oil acabou de fazer uma parceiria de cinco anos com o Departamento de Geografia a Universidade de Copenhagen (Københavns Universitets Institut for Geografi og Geologi – DGG), o que propiciará um altíssimo nível de colaboração e compartilhamento de dados para aprofundar a sua compreensão a respeito dos reservatórios com formações de calcário no setor dinamarquês do Mar do Norte.

A empresa vai orientar diversos doutorandos semestralmente e terá um link direto de compartilhaemnto de dados com a DGG para ajudar no entendimento dps processos de larga escala que mostram aonde as formações de calcário se estabeleceram e as características dos reservatórios de petróleo e gás que alise formaram.

A Maersk Oil e seus parceiros que formam o DUC (Danish Underground Consortium), que são a Shell e a Chevron, apoiarão o projeto com 13,5 milhões de coroas dinamarquesas (DKK) durante o período do convênio.

Henrik Tirsgaard

“A Maersk Oil e a Universidade de Copenhagen trabalharão lado a lado, mais próximas do que nunca e este convênio terá uma relação direta com novos módulos de cursos na Universidade, para os quais dedicaremos toda a nossa expertise e daremos suporte. Esperamos que  nossa parceria, além de eaumentar nosso conhecimento sobre o Mar do Norte, aumentando nosso nível de entendimento a respeito do clima, dos ecossistemas e da oceanografia relativas a esta área, também estimule os estudantes a verem com bons olhos nossa indústria do petróleo e gás e seu potencial de empregabilidade”, declarou, declarou Henrik Tirsgaard, Chefe de Geologia na Maersk Oil.

A pesquisa irá mudar o foco de grande escala das características facilmente identificáveis ​​da geologia submarina para a sutil e difícil tarefa de detectar variações inter-calcarianas que podem apontar para armadilhas de hidrocarbonetos até então desconhecidas.

“A pesquisa feita pela DGG tem omstrado que o processo original de formação das rochas, conforme os depósitos orgânicos foram sendo enterrados e compactados por milhões e milhoes de anos, tiveram um grande impacto na porosidade, causando variações nas formações de calcário. No entanto, nenhum modelo geológico pode prever com precisão estas variações, pois ainda há poucas informações disponíveis sobre o sedimento original. Este estudo mais aprofundado deve nos mostrar isso”, declarou Helle Krabbe, Supervisor de Geologia na exploração costeira na Dinamarca.

Brasão da DGG / Universidade de Copenhagen

A Maersk prova, mais uma vez, que está  a frente em tudo o que faz. mais do que isso, ela contribui de mais uma forma para o desenvolvimento da Dinamarca, propiciando a estudantes um contato em alto nível com o que há de melhor na indústria do petróleo e gás.

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta