Naval Summit 2011 – Segundo dia foi ainda melhor

1
507

O segundo dia da Naval Summit 2011, no Windsor Barra Hotel / Rio de Janeiro, foi ainda melhor que o primeiro, como já era de se esperar pela programação do evento e pela estreita relação dos palestrantes com a Marinha Mercante e a Indústria Offshore.

Vamos detalhar aqui um pouco das palestras mais interessantes:

Wagner de Sousa, Gerente de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Marítima e de Apoio da ANTAQ, chamou a atenção do público em seu painel para algumas coisas que se fazem necessária para que a atividade marítima seja estimulada e interessante tanto para os armadores como para os tripulantes e destacou necessidades como:

– Melhor direcionamento de investimentos do Ensino Profissional Marítimo;

– Desoneração das EBN (Empresas de Brasileiras de Navegação) dos encargos sociais com a mão de obra, através de incentivos fiscais do Governo;

– Estaleiros de reparo naval em nosso país;

– Desoneração dos tripulantes do Imposto de Renda; e

– Compromisso das empresas com o investimento em renovação de frota.

O Chefe de Máquinas Rogério Figueiró, Gerente Geral de Transporte Marítimo da Petrobras, levantou pontos interessantes e que estão sendo buscados pela Petrobras junto a sua subsidiária, a Transpetro, e a outras empresas brasileiras para que se consiga diminuir a dependência de frota estrangeira.

Figueiró também destacou pontos importantes como a necessidade de avliar-se a longo prazo a importância de se ter uma frota própria que pode, no início, até custar mais, mas a médio e longo prazo acaba sendo um bom negócio.

Como o assunto era Cabotagem e geralmente só se fala de transporte de contêineres quando se fala nesta atividade, Figueiró lembrou a todos que a Petrobras tem 82% de suas operações focadas na Cabotagem de granéis líquidos.

O Oficial de Náutica Claudio Marcos Correa da Rosa, Gerente de Frota e Operações da Mercosul Line, empresa do Grupo A.P. Möller Maersk, destacou em sua palestra as operações da Mercosul Line com seus três navios. A Mercosul Line trouxe toda a expertise do Grupo A.P. Möller Maersk no transporte marítimo para a Cabotagem brasileira e isto se reflete nos resultados da companhia, bem como nas condições oferecidas para seus funcionários.

Claudio ainda destacou a iniciativa da Honda que decidiu fazer o escoamento das motos de sua fábrica em Manaus pelos navios da Mercosul, o que vai gerar seis vezes menos emissões na atmosfera e ainda fará com que a empresa tenha entrega mais pontuais de seus produtos.

Tivemos também a palestra do Contra Almirante (Engenheiro Naval) Arthur Paraizo Campos, Diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

Arthur destacou itens importantíssimos para os presentes, começando com a explicação do que a significa a “Amazônia Azul”, um verdadeiro tesouro escondido no fundo do mar, repleto de riquezas minerais e biológicas espalhadas por mais de quatro milhões de quilômetros quadrados, e a importância de termos uma frota naval preparada e equipada para patrulhar este bem de inestimável valor para o Brasil.

Entenda o que é a Amazônia Azul

O Diretor do AMRJ ainda destacou a importante missão do Arsenal em qualificar mão e obra especializada para a Indústria Naval na escola Técnica do Arsenal de Marinha (ETAM), que hoje forma técnicos nas áreas de Eletrotécnica, Estruturas Navais, Mecânica e, mais recentemente, Eletrônica. Segundo o Almirante, apenas 25% dos formandos ficam no Arsenal de Marinha, pois a grande maioria é absorvida rapidamente pelo Mercado, por sua alta qualificação.

Todos os palestrantes foram impecáveis em suas apresentações mas, sem sombra de dúvidas, o destaque ficou com o Contra Almirante Sergio Freitas, ex Comandante do CIAGA e atualmente atuando na Diretoria de Portos e Costas (DPC) como Gerente de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo.

Sergio Freitas deu explicação detalhadíssima sobre a formação de marítimos no Brasil e apresentou os números oficiais da DPC a respeito do assunto, provando que, apesar de haver falta de marítimos, falar em “apagão marítimo” é um tanto quanto exagerado. Falou sobre os esforços da DPC, através do CIAGA e do CIABA, juntamente com as entidades de classe, para suprir a demanda atual, destacando que está todo mundo dando o melhor de si para que a Marinha Mercante esteja bem suprida de profissionais bem qualificados.

A palestra do Almirante foi tão completa e interessante, que será alvo de matéria específica aqui no Portal Marítimo, tamanha a importância dos números apresentados, lembrando a todos que são números oficiais, e não boatos, especulações, etc.

Antes do Almirante Sergio Freitas, palestrou ainda o senhor Roberto Galli, do Syndarma, que deu algumas declarações no mínimo polêmicas como:

“Navio que acompanha novela das sete não é navio”, ao falar sobre a rotina da Cabotagem e logo após mostrar um painel onde a escala “três por um” era mostrada como algo positivo.

“Vamos manter o que é estratégico, vamos manter o controle, mas vamos importar”, ao falar sobre a suposta necessidade de trazer estrangeiros para as nossas águas.

Galli ainda apresentou números de evasão de oficiais, mostrou em seu painel o salário da categoria e deu boas sugestões para que se melhore as condições e voltou a bater na tecla dos incentivos fiscais para os armadores e também para os marítimos (Desconto ou isenção de Imposto de Renda) que, segundo ele, possibilitariam um maior investimento na atividade refletindo, inclusive, no salário líquido do trabalhador embarcado.

O representante do Syndarma também pregou a flexibilização nas RN’s 72 e 80 por 5 anos, como medida de caráter urgente para cobrir a falta de oficiais de Marinha Mercante.

Finalizou o evento a senhora Mariangela Moreira, Diretora da Mundivisas, empresa que trabalha com legalização de estrangeiros em nosso país, que explicou os trâmites para este  tipo de ação, mostrando aos presentes toda a estrutura de imigração para o Brasil, mostrando alguns gargalos na estrutura governamental e chamando a atenção de todos para o fato de quemuitas empresas têm esquecido de comunicar a repatriação dos estrangeiros após a rescisão dos contratos, o que gera uma série de contratempos quando da tentativa de radmití-lo no país.

No geral a conferência foi muito boa e deixo aqui os agradecimentos em nome do Portal Marítimo à equipe da IBC, pela confiança depositada em nós ao convidar-nos para sermos um parceiro de mídia, pela organização do evento e pelos palestrantes que realmente prenderam a atenção dos presentes com apresentações realmente interessantes.

Esperamos estar nos próximos eventos  para podermos manter todo o público marítimo e offshore informados a respeito dos acontecimentos que tanto mexem com a rotina de todos.

Por Rodrigo Cintra

1 COMMENT

  1. imprecionante a preocupaçao do representante do sidarma com a isençao de imposto de renda do maritimo brasileiro …ainda mais vindo de alguem que quer tomar nossos empregos.basta batalhar por menos impostos, pra que eles fiquem cada vez mais ricos…..de vez em quando um calote nos imprestimos oficiais.

Deixe uma resposta