Petrobras ajuda a retirar o óleo dos tanques do Vale Beijing

2
559

Uma nova operação para retirada de 2,5 mil toneladas de óleo diesel e óleo bruto do supergraneleiro Vale Beijing está em curso desde a madrugada de hoje, quinta feira. Segundo informações do Capitão dos Portos do Maranhão, Capitão de Mar e Guerra Nelson Calmon Bahia, um navio tanque que a Petrobras usa regularmente para abastecer cargueiros na baía de São Marcos já foi atracado à um dos costados do navio avariado e está passando por testes.

“A operação de abastecimento sem a necessidade de atracar num dos três portos do Complexo Portuário de São Luís já é feita na baía de São Marcos. Estamos verificando se não haverá problemas com este procedimento”, comentou o militar.

Ao mesmo tempo que se preparam para extrair óleo diesel e bruto dos tanques de combustível do Vale Beijing, os técnicos do armador sul-coreana STX Pan Ocean e da empresa de salvamento marítimo holandesa Smit estão concluindo a montagem da correia transportadora emprestada pela mineradora brasileira Vale para fazer a transferência de 50 mil toneladas de minério de ferro entre do porão n° 7, que fica contiguo ao tanque de lastro rachado, para os porões 3 e 5, o que deverá dar mais estabilidade ao navio.

Segundo o Superintendente do Ibama no Maranhão, Pedro Leão, a previsão é que o trabalho de remoção seja encerrado até domingo ou segunda-feira. Só então as fissuras poderão ser reparadas.

Leão informou que serão retiradas cerca de cinco mil toneladas de bunker – combustível usado na indústria naval. A STX Pan Ocean, empresa que é dona da embarcação e que afretou o navio para a Vale com exclusividade, queria remover a metade desse volume, mas o Ibama insistiu nas cinco mil toneladas. O combustível está sendo transferido a um petroleiro da Petrobras.

– O navio ficará com combustível suficiente apenas para eventual necessidade de locomoção e para manter as bombas funcionando – disse Leão.

As 260 mil toneladas de minério de ferro que estão a bordo do navio devem ser mantidas na embarcação. Haverá apenas uma reorganização da carga para equilibrar o peso do Vale Beijing.

Quando as duas operações estiverem concluídas, um scanner de alta tecnologia será usado para tentar visualizar a extensão das duas rachaduras detectadas no tanque de lastro n° 7 e só então se poderá planejar uma operação de reparos.

Com as informações – Estadão / O Globo

Por Rodrigo Cintra

2 COMMENTS

  1. isso sim é o que deve ser feito só não esquecer de que a vele e a empresa armadora da embarcação deve arcar com as despesas ao fim de toda a operação .
    e serem multadas por pociveis danos ambientais .

Deixe uma resposta