Complexo Logístico e Industrial Farol/Barra do Furado – Obras começam hoje

4
1004

 

As obras do Complexo Logístico e Industrial de Farol/Barra do Furado, em Quissamã (RJ), serão oficialmente iniciadas hoje, em evento que reunirá, além de autoridades locais, o Governador Sérgio Cabral e representantes das empresas que se instalarão no complexo, como a BR Offshore.

O Complexo Logístico é constituído pelos municípios de Quissamã e Campos dos Goytacazes, com o apoio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e do Governo Federal, para a instalação de empresas do setor de Óleo e Gás.

Durante a solenidade de lançamento será implantada a 1ª estaca do píer do Sandy By-Pass, sistema de transporte de areias projetado para evitar o assoreamento do Canal das Flechas. O sistema utiliza tecnologia australiana, que pela primeira vez é empregada na América Latina.

As obras de dragagem, bem como o aumento dos moles necessários para a proteção da entrada do Canal das Flechas, têm o apoio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal e estão sendo realizadas pelo consórcio Terra e Mar.

A BR Offshore começará a construção de seus dois empreendimentos na Barra do Furado até junho deste ano. O primeiro deles, o Terminal de Serviços e Logística da Barra do Furado (TSLBF), foi projetado para atender a demanda por serviços de logística e de apoio marítimo para as unidades de perfuração e exploração de petróleo e gás na Bacia de Campos – que deverão apresentar um crescimento significativo nos próximos anos.

O TSLBF terá capacidade de atracação para até 10 embarcações, e contará com moderno sistema de docagem e transbordo, além de um armazém alfandegado, áreas de estocagem de líquidos e granéis, e ainda uma estação de passageiros e um heliporto.

O segundo empreendimento é o Estaleiro da Barra do Furado, dedicado à manutenção e reparos de barcos de apoio marítimo, que contará com o maior shiplift (elevador de embarcações) no Brasil, com a capacidade de içamento de embarcações com até 6 mil toneladas, e que em sua primeira fase poderá docar simultaneamente, em seco, até 4 embarcações.

Por Redação Portal Marítimo

 

4 COMMENTS

  1. Parabéns pela abordagem.
    Como posso adquirir mais informações para objeto de estudo de monografia sobre o superporto do açu?

  2. Gostaria de conhecer mais sobre o projeto apresentado e também conhecer sobre outro empreendimento grandioso, no Norte Fluminense. Obrigado!

  3. Opa,antes tarde do que nunca, de qq forma meu post foi mal iatdrpretneo.Sem muita sutilizea agora, primeiro tentei dizer que:1) Construir navios de patrulha tendo comprado o projeto pronto e uma oportunidade perdida.2) Esta dificil de acreditar que serao adquiridos e mantidos tantos OPVs e Fragatas como falam. (motivos custo de manutencao e tripulacao conforme escrevi anteriormente).3) Nao questionei a necessidade dos meios mas o custo de manter e adquiri-los bem como a forma como isso podera vir a ser feita sem trazer nenhum beneficio para as areas de engenharia.Agora se vcs que sao do meio naval, podem me afirmar que vai ter dinheiro para comprar e manter os meios, ter tripulacao e que construir navios baseados em projetos nao nacionais e legal para o desenvolvimento nacional (abusei da argumentacao retorico) tudo bem.Eu torco de coracao que isso seja verdade e mesmo que nao seja vale a pena o sonho.(desculpem-me estou usando um problematico computador e estou meio enrolado para usar acentucao aqui)Grande abraco
    Primo

Deixe uma resposta