Alagoas – Grupo Synergy consegue licença ambiental para implantar o estaleiro EISA

4
629

O Grupo Synergy conseguiu a licença ambiental para implantar o estaleiro Eisa, orçado em R$ 1,5 bilhão. Enquanto o Ceará ainda analisa as áreas para instalação do Estaleiro Promar Ceará, o Estado de Alagoas assegurou ao Grupo Synergy, a licença ambiental prévia à implantação do Estaleiro Eisa Alagoas, um empreendimento orçado em R$ 1,5 bilhão e que será construído no município de Coruripe, no litoral alagoano.

A licença foi concedida pelo Conselho Estadual de Proteção Ambiental (Cepram) no início deste mês, mas anunciada apenas esta semana, pelo Diretor Comercial do estaleiro, Jorge Gonçalves.

Com a licença em mãos, estão abertas as “comportas” para o Estaleiro Eisa Alagoas S/A participar do processo de licitação da Petrobras, para fabricação de sete sondas de perfuração, utilizadas em plataformas. A estatal perolífera já anunciou, no entanto, que serão quatro lotes de sete sondas, totalizando 28 unidades. Cada sonda corresponde ao valor aproximado US$ 750 milhões, num total aproximado de R$ 9 bilhões de investimentos da Petrobras. Assim como o Promar Ceará foi aprovado pelo Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante (CDFMM) para ser a construído no Ceará, o Eisa Alagoas foi o empreendimento naval assegurado a Alagoas.

Como já havia informado o Diário do Nordeste, na edição de 16 de abril último, outros dois estaleiros de grande porte também foram aprovados, em 18 de dezembro, pelo CDFMM, para serem instalados no Estado da Bahia: o Paraguaçu e o chamado Estaleiro da Bahia. Ceará à espera Conforme explicou o empresário e Diretor Presidente do Promar Ceará, Paulo Haddad, o estaleiro do Ceará não tem relação alguma com o de Alagoas. Segundo ele, o estado alagoano já conquistou o projeto dele, cabendo, agora, ao Ceará garantir o seu empreendimento. Ele explica que para o Promar Ceará ser transferido para outro Estado terá que aprovar outro projeto, no CDFMM, o que explica o interesse da PJMR, pelas praias de Fortaleza.

Em dezembro, o CDFMM assegurou R$ 4,32 bilhões para o financiamento da construção e modernização de vários estaleiros no País. Em Fortaleza, a Prefeitura Municipal prossegue com as avaliações dos impactos ambientais da instalação do Estaleiro Promar Ceará, em três áreas na capital. Como antecipou, com exclusividade, o Diário do Nordeste, na edição de ontem, as análises na capital estão concentradas no Portão, – nome popular dado à praia ao lado do Titanzinho e à frente da entrada para o espigão do Titã, além do Pirambu e no Poço da Draga, nas proximidades do emissário submarino. Técnicos da Prefeitura Municipal de Fortaleza avaliam ainda, as possibilidades e os custos de instalação do Promar Ceará, nas praias do Pecém, no Paracuru e em Camocim. Consultada, a Secretaria Municipal de Infraestrutura, preferiu o silêncio e não definiu data para o anuncio oficial do estaleiro.

Com as informações – Tribuna Hoje

Por Rodrigo Cintra

4 COMMENTS

  1. Já não era sem tempo a construção do tão esperado megaempreendimento em Alagoas. Agora só falta eu vê-lo pronto e operando. Parabéns pela grande conquista.

  2. Até que enfim… os profissionais alagoanos não precisarão mais sair de Alagoas para buscar empregos que paguem o que se é devido. Apenas espero que mantenha os níveis de salários dos grandes pólos, e não se aproveitem das necessidades do povo alagoano!

  3. É mais ainda vamos ter que torce para que a empresa não desista de alagoas.Porque eu vi no ALTV que eles vão fazer uma reunião para decidir se será construido aqui ele contabilizaram os prejuizos da negação do IBAMA e só com pesquisas para uma nova área foram gastos 5 milhões de reais,eu acho que eles não deveriam construir lá,por que gente tem uma imensa área de manguezal e o manguezal esta em instição.Gente eles tem que compreender que isso vai causar uma destruição ambiental muito grande.
    Não quero que alagoas perca esta chance mais também não quero que o mangue seja destruido.
    Alagoas não tem com frequencia ou nem teve tal nível de empreendimento.
    Se Alagoas perder essa chance não consiguirar pegar uma carona na chance de um pulo no crescimento.

Deixe uma resposta