Incêndio e adernamento na Alaskan Star, da Queiroz Galvão, assusta trabalhadores

3
622

A Petrobras e a Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis (ANP) confirmaram em nota a situação estável da unidade SS-39. Na tarde de hoje, 13, chegou a informação que a plataforma  SS-39, Alaskan Star da Queiroz Galvão estava com um incêndio e havia adernado. A unidade fica localizada no campo de Albacora, a três milhas ao norte da P-25.

A Petrobras informou, ainda, que não houve vítimas entre os 102 tripulantes e nem houve vazamento de óleo para o mar. Além disso, a estatal comunicou oficialmente as autoridades competentes e instaurou comissão técnica para investigar as causas da ocorrência.

A ANP afirmou que o poço 8AB123-HP-RJS  foi fechado com segurança, apesar do vazamento de uma pequena quantidade de fluído de perfuração, que já foi controlado. A agência também afirmou que vai investigar as causas do incidente.

O diretor do Sindipetro-NF, Marcos Breda, disse ao Macaé Offshore, por telefone, que estão no aguardo de maiores informações dos tripulantes, mas a unidade está sem energia elétrica. Breda disse ainda que a plataforma permanece inclinada entre 2 e 3 graus e que o processo de evacuação, apesar da Petrobras ter atendido às solicitações de vagas em outras plataformas, não será iniciado.

Trabalhadores informaram ao Sindipetro-NF que o adernamento da plataforma SS-39 está controlado. Houve também um incêndio num paiol de tinta numa das colunas da plataforma, mas também já foi contido.

O Sindipetro-NF foi informado que às 15h30 foi solicitado envio de barcos de emergência para atender à SS-39, Alaskan Star, no campo de Albacora. Segundo os trabalhadores que estão próximos, o adernamento é visivel, mas não se pode ver fogo. Os trabalhadores também disseram que a plataforma será evacuada e estão sendo solicitadas vagas em outras plataformas.

O poço 8AB123-HP-RJS  foi fechado com segurança e a plataforma se encontra estabilizada. Houve vazamento de uma pequena quantidade de fluído de perfuração, que já foi controlado. A ANP vai investigar as causas do incidente.

Com as  informações – Marcus Lotfi / Macaé Offshore

Nota do Editor: Segundo comue mail enviado a0 Portal Marítimo, hoje, às 16:29, o Sindipetro-NF foi informado que às 15h30 foi solicitado envio de barcos de emergência para atender à SS-39, Alaskan Star, no campo de Albacora. A unidade da Queiroz Galvão está localizada a três milhas ao norte da P-25. Segundo os trabalhadores que estão próximos, o adernamento é visivel, mas não se pode ver fogo. As comunicações estão difíceis com a plataforma. Os trabalhadores também disseram que a plataforma será evacuada e estão sendo solicitadas vagas em outras plataformas. Segundo Petrobrás, está tudo sob controle.

Por Rodrigo Cintra

3 COMMENTS

  1. Ai não e mole não, um dos grande problemas e que agente vê na areá off shore, e que existe uma quantidade muito grande de tec. de segurança, que fazem ate curso a distancia para sair de outras profissões, e iniciar como segurança a bordo. que em off shore basicamente e só falar inglês e saber um pouquinho de Excel.
    trabalhei muito tempo em estaleiro de reparos naval, onde pude adquirir uma boa experiencia…que sinceramente, agente vê muita gente a bordo, que não tem condições de apagar incêndio em uma lata de lixo…esses são alguns tipos de segurança que vejo hoje off shore,que não sabem absolutamente nada de trabalho, muito menos teen disposição para ir pra dentro de um incêndio como esse!!!!!

    ESSA FILOSOFIA TEM QUE SER MUDADDA

    MUITO DIFÍCIL!!!!!

    jorgepabreu@yahoo.com.br

  2. infelizmente não exite segurança em lugar nenhum, sinto muito pois faço parte desta grande empresa, temos sim pessoas com grande capacidade conhecimento em ECIN mais acidentes acontecem em qualquer lugar.

  3. Certamente há muita filosofia a ser mudada. Uma das principais é responsabilizar técnicos de segurança ou mesmo um único indivíduo por incêndio, inclinação de plataformas, vazamento de óleo ou qualquer outro tipo de acidente. A responsabilidade por um ambiente de trabalho seguro é de todos. Não sei se com sua “suposta” experiência te informou, mas o acidente nunca tem uma única causa, sempre há sucessões de falhas e desvios, por tanto, atribuir o acidente a uma pessoa é no mínimo ignorância, mas para alguém que escreve “agente” ao invés de “a gente”, que formula frase onde verbo não concorda com sujeito, não sabe utilizar um sinal gráfico e nem acentuar um texto talvez seja uma exigência demasiada compreender algo além de seus pobres comentários, se é que os compreende. E pelo visto faz parte da geração que condena; isso justificaria o acerto ao mencionar, em inglês, sua função e, sua falta de conhecimento no próprio idioma, talvez devesse usar o excel.
    Por último, creio que sua expressão “teen disposição” tenha sido mais um de seus muitos erros filosóficos e gramaticais porém, se enquadrou bem, originou um neologismo, que classificaria como a “disposição juvenil de se fazer besteira”, como por exemplo: “Entrar dentro de um incêndio”.

Deixe uma resposta