Polo Naval do Amazonas deixa para trás Chile e Argentina

1
617

Uma embarcação de luxo produzida no Polo Industrial de Manaus sai 40% mais barata que a mesma fabricada na Itália. Este desconto acontece por conta das tarifas de importação, não cobradas por produtos construídos em território brasileiro. Com isso, o amazonense pode usufruir de um artigo majestoso, pagando menos.

Para construir uma embarcação de luxo, fabricado pela Crunch – empresa italiana -, é necessário mão de obra local especializada. Segundo o Consultor Comercial Franco Neto, isso não é um problema.

“A Amazônia detém um conhecimento grande e antigo, secular. Por isso, não vai ser difícil essa comunhão com as novas tecnologias. Creio que, em poucos anos, o Brasil será líder no segmento no mundo”, acredita. Prova disso é a fabricação do Smeraldo 40, um barco de alto luxo, com padrão europeu, no Polo Industrial de Manaus (PIM).

Os funcionários da produção trabalham com um sistema parecido o do Polo de Duas Rodas, por conta do procedimento diferenciado de montagem. Para construir uma embarcação, é preciso misturar gel, resina e fibra de vidro dentro de uma forma para moldar o barco. Somente após este processo pode ser montadas as peças e os acessórios.

O Polo Naval registra um ritmo crescente no Amazonas, devido aos incentivos fiscais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). O aquecimento do setor deve-se a dois fatores correlatos: o desenvolvimento da região e a proximidade da Copa do Mundo de 2014, quando Manaus será subsede. Hoje, a indústria náutica conta com 400 estaleiros no Amazonas, um número maior que de todo o segmento no Chile e na Argentina, por exemplo.

Com as informações – Amazônia.com

Por Rodrigo Cintra

1 COMMENT

  1. Ok,possui 400 estaleiros,mas nenhum,insisto,nenhum com qualidade na segurança do trabalho ou que cumpram acordos coletivos e obrigações sociais. Tudo no papel nada na dura realidade. Choques elétricos , só em 2011, mataram quase uma dezena de operarios navais.O Ministério Publico do Trabalho possui poucos dados pois, é rotina, tais “estaleiros” ocultar os acidentes já que na maioria das vezes são funcionarios terceirizados,não entrando na conta dos estaleiros tais acidentes.
    Fácil assim,né!

Deixe uma resposta para Jorge Oliveira Cancelar resposta