Recuperação é prioridade da Seadrill

0
1556

A Seadrill surpreendeu o mercado na volta do feriado do Dia do Trabalho e os investidores estão com os dois olhos bem abertos nas ações da empresa, que voltou do feriado fazendo bastante barulho e deixando uma coisa bem clara: a recuperação é a prioridade.

A empresa, que acabou de adiar a decisão de distribuição de dividendos relativa ao primeiro trimestre de 2017 até que um acordo seja alcançado com seus bancos credores, acabou tomando a atitude correta, já se prevenindo de possíveis más notícias em relação a sua reestruturação.

Com um ajuste aqui e outro ali, a empresa segue estrategicamente buscando evitar a recuperação judicial através de acordos com seus credores e, por mais incrível que pareça e por mais que diversos “cavaleiros do apocalipse” publiquem justamente o contrário por aí, ela até que possui uma chance bastante razoável.

Caso a empresa se livre das piores notícias, e é o que esperamos, analistas de toda parte do mundo dizem que, pelo menos por um bom tempo, ela não mais poderá distribuir dividendos como fazia anteriormente, já que deverá ter um bom lastro de capital para se reerguer.

O outro fato que chamou a atenção foi a venda de três plataformas auto elevatórias (jack-up) para a Shelf Drilling, empresa baseada em Dubai, em um negócio de US$ 225 milhões.

As plataformas West Triton e o West Resolute devem ser entregues até o final de maio, enquanto a terceira plataforma, a West Mischief, só deve ser entregue no início do segundo semestre, após a conclusão de seu contrato em andamento com a NDC, empresa estatal dos Emirados Árabes.

Diante da dívida da empresa, esta capitalização significa muito pouco, mas significa algo. Parece que a empresa aponta para um futuro em que deve focar em águas mais profundas, assim como sua concorrente Transocean fez recentemente, fato noticiado em nossas páginas (clique aqui). É focar para ter um horizonte palpável. Não é apenas um caminho, mas também uma grande tendência para as grandes.

Quando olhamos as projeções da empresa, dados oficiais amplamente divulgados, vemos que esta é uma forte possibilidade, já que ela prevê uma diminuição de seu valor em 49,1% ao ano, nos próximos 5 anos.

É Pareto, é 80/20, é não querer abraçar o mundo com as pernas, é literalmente cortar a gordura pra ser mais ágil e nessa “dieta”, há uma grande chance das jack ups ficarem para trás.

Quando se olha o tamanho da dívida da empresa, que é de US$ 14 bilhões, cada movimento deve ser bastante meticuloso e quando se olha para o valor das ações as preocupações aumentam.

Em 2013 chegaram a valer US$ 46,36 e estão, neste exato momento (2 de maio / 22:00), a um preço de a US$ 0,61, no que é considerado o fundo do poço.

Dados oficiais da Seadrill

O  poço pode ser mais fundo do que se imagina, ainda mais quando se tem 42 bancos com US$ 8 bilhões a receber, fora as outras partes (empresas diversas e funcionários).

Mesmo assim, com a volatilidade do mercado, tão dependente do petróleo, de um momento para outro as coisas podem mudar.

Seguimos na torcida, mesmo diante das incertezas causadas pelas circunstâncias.

Por Rodrigo Cintra

Deixe uma resposta