Pirataria no Guarujá – criminosos roubam equipamento de batimetria

0
664
Foto: G1

Três criminosos armados invadiram uma embarcação e roubaram equipamentos avaliados em até R$ 200 mil, utilizados para realizar levantamentos hidrográficos no acesso ao Porto de Santos, no litoral de São Paulo. Um marinheiro e três técnicos foram mantidos reféns.
O crime ocorre poucas semanas depois de pescadores serem obrigados a abandonar uma lancha durante um roubo, e de um veleiro ter sido saqueado na mesma região. Nessas duas ocorrências, três rapazes armados em um barco de alumínio também são apontados como os autores.

Desta vez, o assalto ocorreu durante a tarde do último dia 22, enquanto era realizada a batimetria (medição de profundidade) de uma área entre a Praia do Góis e o Morro dos Limões, em Guarujá. Além de acesso ao cais, o local está em frente à baía de Santos.
Três das vítimas são funcionários de uma empresa sediada no Rio de Janeiro, que presta serviços a um terminal portuário do complexo santista. A quarta é o marinheiro responsável pela embarcação pesqueira, que foi adaptada para receber os aparelhos de medição.

Segundo o relato do grupo, o trio armado estava em um barco menor, de alumínio. Dois deles, com revólveres, foram a bordo da embarcação das vítimas e pediram os equipamentos que estavam ali. Bens pessoais, como celulares, câmeras e dinheiro, também foram levados.

“Foi muito visível que eles [os criminosos] tinham uma encomenda precisa. Eles chegaram pedindo os equipamentos de batimetria. Falaram os nomes, e isso evidenciou que foram orientados por alguém”, disse um dos sócios da empresa, que pediu para não ser identificado.

O empresário explica que os funcionários tinham iniciado o serviço pela manhã e, no meio da tarde, já estavam finalizando os trabalhos, quando foram surpreendidos. “Esses equipamentos não são segurados, infelizmente. O prejuízo está entre R$ 150 mil e R$ 200 mil”, afirma.

“Dizem as autoridades que os criminosos vão pedir resgate pelo material. Aí você fica entre a cruz e a espada. Se aceitar negociar, você dá brecha para outras ações”, desabafou. A equipe está sem trabalhar, pois a firma ainda não comprou nova aparelhagem.
Após o roubo, a suspeita é que os criminosos tenham escondido os bens na comunidade de Santa Cruz dos Navegantes, localizada às margens do Canal do Estuário. Uma operação da Polícia Civil foi realizada na região nesta semana, mas os materiais e os criminosos não foram encontrados.

O empresário informou que os funcionários registraram um boletim de ocorrência na Polícia Civil. “Também notificamos a Polícia Federal, que informou que a investigação ficaria na Civil. E notificamos a Marinha do Brasil, já que os equipamentos são vistoriados por ela”.
Veleiro ‘Azul Marinho’ também foi alvo de criminosos em 3 de junho, em Guarujá, SP (Foto: Arquivo Pessoal) Veleiro ‘Azul Marinho’ também foi alvo de criminosos em 3 de junho, em Guarujá, SP (Foto: Arquivo Pessoal)
Veleiro ‘Azul Marinho’ também foi alvo de criminosos em 3 de junho, em Guarujá, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

A Polícia Civil em Guarujá informou que as investigações para tentar localizar os responsáveis e os bens continuam. “Enquanto isso, vamos contratar uma empresa particular para fazer a segurança. Um barco com seguranças vai fazer a escolta das nossas equipes em Santos”, disse o empresário.

Crimes no mar

Uma imagem obtida pelo G1 mostra o trio suspeito de cometer os assaltos no mar e a embarcação utilizada por eles nos crimes. Os casos permanecem em investigação para tentar localizá-los. A polícia pede que outras vítimas registrem boletim de ocorrência.
Em 13 de maio, três pescadores foram obrigados a abandonar uma lancha nas proximidades da Ilha das Palmas, também em Guarujá, durante um assalto. Armados, três rapazes em um barco de alumínio se aproximaram, anunciaram o roubo e fugiram com os bens das vítimas.

Em 3 de junho, um trio, também em uma embarcação de alumínio, abordou um velejador e saqueou o barco dele em frente à Fortaleza da Barra, entre Santos e Guarujá, no acesso ao cais. Assim como as demais, a ação foi rápida e durou menos de dez.

Nesse intervalo, outro veleiro foi invadido enquanto saía de uma marina na mesma região, durante a madrugada, por um trio que aparenta ser o mesmo das demais ocasiões. Os tripulantes seguiriam viagem para o Rio de Janeiro e tiveram que adiar a partida.

Fonte: G1

Por Redação

Deixe uma resposta